Leopoldo Raimo

Leopoldo Raimo
Leopoldo Raimo

Leopoldo Francisco Raimo

Botucatu, São Paulo, 1912 - São Paulo, São Paulo, 2001

Pintor, gravador e médico.

Muda-se com a família para a capital paulista em 1918. Durante o curso no Ginásio do Estado (de 1924 a 1930), Raimo tem aulas com o pintor acadêmico Oscar Pereira da Silva (1867-1939). Em 1931, estuda durante um semestre na Escola Paulista de Belas Artes. Escolhe a medicina como profissão, frequentando entre 1932 e 1937 a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e atuando como médico desde então. Entre 1951 e 1958, participa do Atelier Abstração, onde estuda com o artista romeno Samson Flexor (1907-1971), membro da Escola de Paris, que fixara residência com a família em São Paulo em 1948. Em 1956, integra a diretoria artística do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), tomando parte na elaboração do regulamento da 4ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1959, estuda gravura na Escola de Artesanato do MAM/SP, sendo então orientado por Lívio Abramo (1903-1992).

 

Raimo é um dos membros-fundadores do Núcleo dos Gravadores de São Paulo (Nugrasp). Em 1976, integra o conselho de arte e cultura da Fundação Bienal para a 14ª Bienal Internacional de São Paulo.

 

Leopoldo Raimo inicia sua produção artística como pintor. No início de sua carreira e mesmo depois, nota-se a influência de seu período de aprendizado no Atelier Abstração, um dos principais locais de formação artística na São Paulo dos anos 1950. O grupo organizado em torno de Flexor propõe uma arte fundada nas qualidades puramente plásticas e pautada pelo rigor geométrico. Seus primeiros trabalhos consistem em desenhos realizados com grafite em diferentes gradações, estruturados por diagonais marcadas, explorando a intersecção dos planos. A cor comparece de maneira paulatina em sua obra, intensificando-se a partir de 1952.

 

Na produção de Raimo, segundo a curadora Ana Paula Nascimento, há a criação de um espaço ilusório, ainda que geométrico, baseado na organização de formas e no uso de uma escala cromática em intensidades variadas, procurando efeitos e ilusões de ótica. No final da década de 1950, Raimo passa a utilizar em suas obras areia e tinta a óleo, e a massa pictórica ganha importância sobre a linha, como na série Telúrico (1958-1959). O artista aprendera gravura com Lívio Abramo em 1959, porém dedica-se com mais afinco às artes gráficas nas décadas de 1960 e 1970, especialmente a xilogravura, na maior parte das vezes em cores. Essas obras frequentemente formam séries, que parecem abordar o universo das festas e crenças populares, como Talismã (1970) e Junina (1980).

Ver Obras
Gostou de alguma obra?